segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

O que é o Projeto Arenaria?

Desde o 1 de dezembro e até 31 de janeiro de 2018 ocorre a época de campo do Projeto Arenaria, Spea apela as pessoas a participar como voluntários para colaborar neste projeto. Portanto no artigo desta semana gostaria de explicar um pouco sobre o que este projeto consiste e porque o acho uma oportunidade interessante para aprender um pouco mais sobre as diferentes espécies de aves que podemos observar nas praias da Madeira nesta altura.

Primeiro de tudo... O que é o Projeto Arenaria? Conforme descrito no website do projeto (https://sites.google.com/site/projectoarenaria/), este “é um projeto de citizen science com o objetivo de estudar a distribuição e abundância de aves presentes ao longo da linha de costa, bem como monitorizar a sua evolução temporal. Os dados recolhidos permitiram obter estimativas de abundância e distribuição das aves limícolas, bem como informação acerca da distribuição de outras espécies de aves costeiras”. Também a metodologia está muito bem explicada no website, que em resumo consiste em façer contagens das aves que observamos na zona entre-marés escolhendo uma quadrícula UTM 5x5 km , com ajuda da coordenação regional do projeto, neste caso SPEA Madeira. O principal grupo alvo são as aves limícolas, mas também contabilizamos outras espécies como gaivotas, garças, garajaus... assim como as perturbações que acontecem durante o censo de: pessoas, cães sem trela e veículos.
Tendo em conta a realidade das regiões autónomas dos Açores e da Madeira, nomeadamente a dispersão territorial, as características topográficas das ilhas (com muitas áreas inacessíveis) e o reduzido número de observadores, entre outros, haverá uma adaptação da metodologia às ilhas, nomeadamente no que à selecção das áreas de contagem diz respeito. É por isso que é necessária ajuda dos voluntários para assegurar nossos objetivos a monitorização anual das quadrículas estudadas e sensibilizar o público para a conservação dos ecossistemas marinhos e sua biodiversidade.

Na tabela a seguir, deixo um resumo das espécies que podemos encontrar em nossas praias, destacando-se em azul, o mais facilmente observável.


O que vemos e o que contamos na Madeira?


LIMÍCOLAS
GAIVOTAS
Rola-do-mar (Arenaria interpres)
Gaivota-de-patas-amarelas (Larus michahellis)
Borrelho-grande-de-coleira (Charadrius hiaticula)
Guincho (Larus ridibundus) 
Borrelho-de-coleira-interrompida(Charadrius alexandrinus)
Gaivota-d'asa-escura (Larus fuscus)
Pilrito-das-praias (Calidris alba)
Gaivota-tridáctila (Rissa tridactyla)
Pilrito-de-peito-preto  (Calidris alpina)
Gaivota-de-cabeça-preta (Larus melanocephalus) 
Maçarico-das-rochas (Actitis hypoleucos)
Gaivota-de-bico-riscado  (Larus delawarensis)
Maçarico-galego (Numenius phaeopus)

Seixoeira  (Calidris canutus)

Perna-verde  (Tringa nebularia)

Perna-vermelha (Tringa totanus)

Tarambola-cinzenta (Pluvialis squatarola)


GARÇAS
GARAJAUS
Garça-branca-pequena (Egretta garzetta)
Garajau-de-bico-preto (Sterna sandvicensis)
Garça real (Ardea cinerea)


OUTRAS 

Alcatrazes (Morus bassanus), Alcaide (Catharacta skua), Corvos-marinhos (Phalacrocorax sp), Pato-real (Anas platyrhynchos)    


Rola-do-marPilrito-das-praiasMaçarico-das-rochas
        Rola-do-mar                                    Pilrito-das-praias                       Maçarico-das-rochas



Borrelho-grande-de-coleiraBorrelho-de-coleira-interrompidaMaçarico-galego
    Borrelho-grande-de-coleira         Borrelho-de-coleira-interrompida       Maçarico-galego


GuinchoGaivota-de-patas-amarelasGarajau-de-bico-preto
     Guincho                                      Gaivota-de-patas-amarelas               Garajau-de-bico-preto



...............................................................................................................................................

From December 1st to January 31st, 2018, it's field season of Arenaria Project, Spea appeals to people to participate as volunteers in this project. So in this week's article I would like to explain a little about what this project consists of and why I find it an interesting opportunity to learn a more about the different species of birds that we can observe on the beaches of Madeira at this time.

First of all ... What is the Arenaria Project? As it is described on the project website (https://sites.google.com/site/arenaria/), this "is a citizen science project with the goal of studying the distribution and abundance of birds present along the coastline, as well as monitor their temporal evolution. The data collected allowed estimates of abundance and distribution of shorebirds as well as information on the distribution of other species of coastal birds. " Also the methodology is very well explained in the website, which in summary consists of counting the birds that we observe in the zone between tides by choosing a UTM grid 5x5 km, with the help of the regional coordination of the project, in this case SPEA Madeira. The main target group are shorebirds, but we also count other species such as seagulls, herons, terns ... as well as the disturbances that occur during the census: people, dogs without leash and vehicles.
Beacouse the situation of the Azores and Madeira regions, such as territorial dispersion, special topographic characteristics of the islands (with many inaccessible areas) and a small number of observers, among others, the methodology it is adapted to the islands, which the selection of counting areas is concerned. That is why it is necessary the help of volunteers to ensure our objectives; the annual monitoring of the study areas and to raise public awareness of the conservation of marine ecosystems and their biodiversity.


In the table below, I leave a summary of the species that we can find on our beaches, standing out in blue the most easily observable.


What do we see and what do we count? 



SHOREBIRDS
GULLS
Ruddy Turnstone (Arenaria interpres)
Yellow-legged Gull (Larus michahellis)
Common Ringed Plover (Charadrius hiaticula)
Black-headed Gull (Larus ridibundus) 
Kentish Plover(Charadrius alexandrinus)
Lesser Black-backed Gull (Larus fuscus)
Sanderling (Calidris alba)
Black-legged Kittiwake (Rissa tridactyla)
Dunlin (Calidris alpina)
Mediterranean Gull (Larus melanocephalus) 
Common Sandpiper (Actitis hypoleucos)
Ring-billed Gull  (Larus delawarensis)
Whimbrel (Numenius phaeopus)

Red Knot  (Calidris canutus)

Common greenshank  (Tringa nebularia)

Common redshank (Tringa totanus)

Grey plover (Pluvialis squatarola)


HERONS
STERNS
Little Egret (Egretta garzetta)
Sandwich Tern (Sterna sandvicensis)
Grey Heron(Ardea cinerea)


OUTRAS 

Northern Gannet (Morus bassanus), Great Skua (Catharacta skua),  Phalacrocorax spMallard (Anas platyrhynchos)    



Rola-do-marPilrito-das-praiasMaçarico-das-rochas
        Ruddy Turnstone                                    Dunlin                       Common Sandpiper



Borrelho-grande-de-coleiraBorrelho-de-coleira-interrompidaMaçarico-galego
            Kentish Plove                            Common Ringed Plover                    Whimbrel


GuinchoGaivota-de-patas-amarelasGarajau-de-bico-preto
              Black-headed Gull                    Yellow-legged Gull                          Sandwich Tern

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Life in plastic it's not as fantastic...

Depois dum mês na Madeira, consegui ficar admirada e surpresa com sua natureza e os muitos lugares mágicos desta ilha. Mas essas mesmas paisagens que atraem a atenção de visitantes de todo o mundo, muitas vezes são degradados e sua beleza eclipsada pela enorme quantidade de lixo deixado pelas mesmas pessoas de maneira acidental ou intencional. Então, hoje quero falar sobre isso precisamente, sobre o lixo, e mais especificamente sobre o plástico e o efeito que deixa no mar e sua biodiversidade.

O 80% da poluição marinha tem origem terrestre. No total, estima-se que anualmente morrem cerca de 1 milhão e quinhentos mil animais vertebrados devido à ingestão de plástico. Escovas de dentes, rolhas de garrafas, isqueiros, ou resíduos da pesca são alguns dos objectos frequentemente vistos no estômago das aves encontradas mortas, mas... Como esses objectos chegam lá? depois de arrastados pelas chuvas, rios e sistemas de esgotos acabam no mar, onde ventos e correntes oceânicas os espalham por todo o oceano com graves consequências na biodiversidade e em todo o Ambiente. 
Alem disso, soube-se que o plástico nunca se parte, apenas se degrada em fragmentos mais pequenos que permanecem no ambiente. Conforme a sua densidade, podem ser encontrados na coluna de água, aumentando o número de espécies que entram em contacto com ele. Estes fragmentos microscópicos podem durar séculos, libertam substâncias tóxicas, misturam-se com o plâncton, e quando são confundidos com alimento causam obstruções no aparelho digestivo da várias espécies, matando-os ou ferindo-os. Acabam assim infiltrados em toda a cadeia alimentar oceânica, que mais tarde irá contaminar alimentos humanos. Também, há estudos que relacionam os problemas causados por poluentes orgânicos persistentes em aves marinhas com a diminuição do sucesso reprodutivo e declínio de populações destes animais
Outro exemplo muito estudado é o do Albatroz-de-Layssan (Phoebastriaimmutabilis) no Atol de Midway, em o Pacífico Norte. Normalmente estas aves alimentam-se de crustáceos, lulas, e pequenos peixes perto da superfície, sendo assim atraídos por estes pequenos objectos de plástico colorido, confundidos com alimento. Eles podem viajar centenas de quilómetros para encontrar alimento para a suas crias, ás que acabam assim com o estômago cheio de plástico, com o trato digestivo obstruído, até que acabam por morrer à fome.

Resultado de imagem para aves marinhas com lixo


No nosso caso, na Madeira, existem diferentes caixotes que facilitam a separação entre os tipos de lixo, de modo que o vidro, papel e plástico são transportados ao continente e tratados em instalações de reciclagem. No entanto, muitas pessoas ainda não estão conscientes da importância de acções tão simples como separar ou não lançar lixo ao chão,e o resultado é visualmente perceptível em muitas praias e ribeiras. Contra esta falta de conhecimento, há campanhas para limpar praias e até para a angariação de tampas de garrafas, para troca por uma cadeira de rodas. 
Por outro lado, depois duma pequena pesquisa na Internet, descobri a existência do projecto “GoJelly” em que o Observatório Oceânico da Madeira participa. O objectivo principal deste projecto é desenvolver, testar e promover uma solução gelatinosa que processada através de matéria prima proveniente de alforraras (muitas delas, espécies invasoras e autênticas pragas), o que pode servir de filtro à poluição de microplásticos.

Claramente projectos como este podem fazer uma grande ajuda para a invasão do plástico nos nossos mares e oceanos, mas como eu disse em outros artigos, pessoalmente acho que é melhor prevenir do que remediar e, como residente temporária da ilha , quero incentivar as pessoas e a mim incluída, para estar mais atentos ao efeito que todos os plásticos que nos cercam podem exercer no meio ambiente.






-----------------------------------------------------------------------------------------------------------

After a month in Madeira, I was amazed and surprised by its nature and the many magical places of this island. But these same landscapes that attract the attention of visitors from all over the world are often degraded and their beauty eclipsed by the huge amount of garbage left by this same people in an accidental or intentional way. So today I want to write about it precisely, about the garbage, and more specifically about the plastic garbage and the effect it makes on the sea and its biodiversity.

80% of the marine pollution has terrestrial origin. In total, it is estimated that about 1.5 million vertebrate animals die each year because the ingestion of plastic. Toothbrushes, bottle stoppers, lighters, or fishing wastes are some of the objects often seen inside the stomachs of seabirds found dead, but ... How do these objects get there? after being washed away by rains, rivers and sewage systems. they end up in the sea, where winds and ocean currents scatter them all over the ocean with serious consequences on biodiversity and the environment.
In addition, it has been learned that plastic never breaks, only degrades into smaller fragments that remain in the environment. According to their density, they can be found in the water column, increasing the number of species that come into contact with it. These microscopic fragments can stay for centuries, releasing toxic substances, mixing with plankton, and when they are confused with food they cause obstructions in the digestive tract of various species of animals, killing or injuring them. In this way, they end up infiltrating the entire oceanic food chain, which will later contaminate human food. Also, there are studies that relate the problems caused by persistent organic pollutants in seabirds with the decrease of the reproductive success and the decline of populations of these animals
Another well-studied example is the Layssan Albatross (Phoebastriaimmutabilis) in the Midway Atoll in the North Pacific. Usually these birds feed with crustaceans, squids, and small fish near the surface, so they used to be attracted by these small colored plastic objects, confused with food. They can travel hundreds of miles to find food for their offspring, which then end up with a plastic-filled stomach with a clogged digestive tract until they starve to death.

Resultado de imagem para aves marinhas com lixo


In our case, in Madeira, there are different trash bins that facilitate the separation of types of waste, so that glass, paper and plastic are transported to the mainland and treated in recycling centers. However, many people are still not aware of the importance of some actions as simple as separating or not or even throwing garbage to the ground, but the result is visually noticeable on many beaches and streams of the island. Against this lack of knowledge, there are campaigns to clean beaches and even for the collection of bottle caps to exchange them for a wheelchair.
On the other hand, after a little research on Internet, I discovered the existence of the "GoJelly" project, in which Madeira Ocean Observatory participates. The main objective of this project is to develop, test and promote a gelatinous solution that is processed through jellyfish (many of them invasive species and authentic pests), which can serve as a filter for microplastic pollution.

Clearly projects like this can be a big help for the invasion of plastic in our seas and oceans, but as I said in other articles, personally I think it is better to be safe than sorry and, as a temporary resident of the island, I want to encourage people and myself, to be more attentive to the effect that all the plastics that surround us can exert on the environment.


                                         

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

All you need is Science

Esta semana passada foi muito especial para qualquer amante da ciência e para todos aqueles que aspiram a fazer parte dela. Estou falando sobre a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, idéia que surgiu como objetivo de chamar a atenção dá opinião pública à cultura científica. 
Desde 1998, entre 20 e 26 de Novembro é comemorado em Portugal uma série de eventos em que vários centros de pesquisa, Instituições de ensino superior, Museus e Escolas são envolvidas. Na Madeira este evento teve lugar na passada quarta-feira, "Ciência no Mercado" é promovido pela ARDITI (Agência para o Desenvolvimento Regional da Investigação, Tecnologia e Inovação) e consistiu numa exposição dos vários projectos de investigação em curso neste momento na região. 


Durante toda a tarde qualquer pessoa que visitou a Praça do Peixe no Mercado dos Lavradores de Funchal, teve a oportunidade de experimentar comandar pequenos robôs, que estavam expostos, conhecer os estudos que estão a desenvolver para promover a valorização do ouriço-do-mar na Madeira, souber mais das propriedades tecnológicas das algas e até degustar produtos feitos com elas (minha secção favorita, obviamente!). Houve ainda espaço para pensar sobre o futuro com o Serviço de Psicologia da Universidade da Madeira. Claro, que nos também nos, SPEA estivemos lá para apresentar o projeto Luminaves e mostrar os aparelhos com que trabalhamos para fazer os censos.







Em definitiva, foi uma mostra da Ciência e Tecnologia do que se faz na Região, onde todos puderam participar e interagir em muitos ateliers e compreender um pouco mais do as vezes misterioso mundo da Ciência.

Deixo o link da notícia na televisão sobre o evento.
http://www.rtp.pt/play/p85/e317283/telejornal-madeira/618280

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Last week was very special for any lover of science and for anyone who aspire to be part of it. I'm talking about the National Science and Technology Week, an idea that came up with the objective of getting the public's attention to scientific culture. Since 1998, between 20th and 26th of November a serie of events are celebrated in Portugal, several research centers, higher education institutions, museums and schools are involved celebrated in them. In Madeira this event took place last Wednesday, "Science in the Market" is promoted by ARDITI (Agency for Regional Development of Research, Technology and Innovation) and consisted of an exhibition of the various research projects currently underway in the region. 

During the whole afternoon, anyone who visited Praça do Peiçe in the Mercado dos Lavradores in Funchal had the opportunity to try out small robots that were exposed, to know the studies that are developing to promote the valuation of the sea urchin in Madeira, learn more about the technological properties of seaweed and even taste products made with them (my favorite section, obviously!). There was still spot to think about Our own future with the Psychology Service of the University of Madeira. Of course, we SPEA Madeira, were also there to present Luminaves project and show the equipment with which we work in our censuses.




In short, it was a Science and Technology show about what is happening in the Region, where everyone could participate and interact in many workshops and understand a little more of the sometimes mysterious world of Science.

I leave the news link on television about the event.




segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Mais vale prevenir do que remediar


Hoje quero falar dum problema  que infelizmente afecta ou mundo inteiro e que também acontece no meu país,Espanha, onde não tem a atenção merecida apesar de ser uma das causas principais de perda de biodiversidade no mundo: As espécies exóticas invasoras.

O que são e por que a gestão de espécies invasoras é importante?

Seguindo a Convenção sobre a Biodiversidade, espécie exótica invasora é aquela cuja introdução e/ou disseminação fora da distribuição natural passada ou presente, constitui uma ameaça para a diversidade biológica. Normalmente são espécies introduzidas pelo homem que se aclimatam e proliferam sem controle e passa a representar uma ameaça para as espécies nativas , para a economia e saúde humanas e para o equilíbrio dos ecossistemas que vai ocupando e transformando a seu favor.
[The Convention on Biological Diversity. " What are Invasive Alien Species?". UNEP.]

Com a expansão europeia no mundo, houve muitas trocas de espécies entre os diferentes continentes com consequências desastrosas para os animais e plantas nativos. No caso das ilhas com ecossistemas isolados, os coelhos, ratazanas e ratos, introduzidos acidental ou intencionalmente, transformam-se em pragas, ameaçando as espécies que ali habitavam.

No caso na biodiversidade do arquipélago de Madeira, a maioria das espécies referenciadas são parte da lista das 100 pior espécies invasoras do mundo. 
Espécies como a "bananilha", Hedychium gardnerianum (planta originária dos Himalaias), está a pôr em causa a recuperação da Laurissilva, a floresta autóctone deste arquipélago, que está classificada como Património Natural pela UNESCO.
No entanto o grupo dos artrópodes representa un 51% dos endemismos e além Madeira destaca como uma das áreas do planeta com maior diversidade específica de moluscos. O segundo maior grupo desta biodiversidade são as plantas e os fungos (42%). No que interessa aos vertebrados, todos os mamíferos terrestres das diferentes ilhas, com exceção das cinco espécies de morcegos indígenas, foram introduzidos. O grupo mais favorecido do momento são os répteis, onde destaca a lagartixa-da-madeira (Lacerta dugesii) com quatro subespécies endémicas, uma de cada ilha. Relativo as aves, como nós já sabemos, são a classe com maior número de espécies e subespécies no arquipélago da Madeira devido às suas características adaptadas para atingir e colonizar as ilhas. Exemplo das espécies endémicas temos as freira-da-madeira (Pterodroma madeira) e freira-do-bugio (Pterodroma feae), o pombo-trocaz (Columba trocaz) e o bis-bis (Regulus madeirensis) .
Aspetos a ter em conta como principais ameaças para a biodiversidade da ilha são o colecionismo e a perturbação causada pela atividade ecoturística. Assim como os predadores introducidos como os ratos e gatos asselvajados que destroem os ninhos de aves que apenas existem nestes habitats, condenando-as à extinção.
Resultado de imagem para lagartixa madeira

É verdade que, na Madeira, há um trabalho sólido para recuperar habitats e espécies prioritárias com o control ou erradicaçao dalgumas das espécies mencionadas. Mas estos programas requerem de recursos humanos e financeiros significativos, muitos já foram garantidos através de programas comunitários, especificamente, Life-Nature (ex. Projeto de recuperação do habitat de nidificação do petrel freiraProjeto Recuperação da Floresta Laurissilva nas Funduras o Projeto de recuperação dos habitats terrestres de Deserta Grande). 

As pessoas são as únicas a culpar por essas perdas desnecessárias da espécies nativas, mas, como os erros são aprendidos, sempre há a esperança de que, no futuro, uma boa administração e a gestão apropriada de espécies invasoras atuem como uma medida preventiva para essas situações.

           



Today I want to write about a problem that affects the whole world and which unfortunately, like currently in the case of my country, Spain, does not get the deserved attention, despite being one of the main causes of biodiversity loss in the world: Alien-invasive species.

What are they and why it is important a correctly managing of invasive species?

Following the Convention on Biodiversity, an alien-invasive specie is one whose introduction and / or dissemination outside its past or present natural distribution constitutes a threat to biological diversity. These are usually exotic species introduced by the man, and they use to acclimatize and proliferate uncontrollably becoming a threat to native species, to human economy and health, and to the balance of the ecosystems it occupies and transforming in its favor.
[The Convention on Biological Diversity. "What are Invasive Alien Species?" UNEP.]

With European expansion, there have been many species exchanges between different continents with disastrous consequences for native animals and plants. In the case of islands with isolated ecosystems, rabbits, cats and rats, introduced accidentally or intentionally, become pests, threatening the species that used to live there.

In the case of the biodiversity of the Madeira archipelago, most of the species listed are part of the list of the 100 worst invasive species in the world. Species such as Hedychium gardnerianum ( Himalayas native plant), wich is calling into question the restoration of Laurissilva, the native forest of this archipelago classified as a Natural Heritage by UNESCO.
However on the other hand, the group of arthropods represents 51% of the endemism and besides Madeira stands out as one of the areas of the planet with greater diversity of molluscs. The second largest group of this biodiversity are plants and fungi (42%). About the vertebrates, all the terrestrial mammals of the different islands, were introduced, with the exception of the five species of indigenous bats. So far, the most favored group are reptiles, where Madeiran wall lizard (Lacerta dugesii) stands out with four endemic subspecies, one of each island. Relative to birds, as we already know, they are the group with the highest number of species and subspecies in the Madeira archipelago, due to their easy adaptation to reach and colonize the islands. Examples of endemic species we find Zino's petrel or freira (Pterodroma madeira) and Fea's petrel (Pterodroma feae), the trocaz pigeonMadeira laurel pigeon or long-toed pigeon (Columba trocaz) and the Madeira firecrestMadeira kinglet, or Madeiracrest (Regulus madeirensis).
Aspects to be taken into account as main threats for the island's biodiversity are collecting and disturbance caused by ecotourism activity. As well as introduced predators like rats and wild cats that destroy bird nests that only exist in these habitats, condemning them to extinction.

Resultado de imagem para lagartixa madeira

It is true that in Madeira there is a solid work to recover priority habitats and species with the control or eradication of some of the species mentioned. But these programs require significant human and financial resources, many of which have already been secured through community programs, specifically Life-Nature.

Humans are the only ones to blame for these unnecessary losses of native species, but as we can learn from ours mistakes, there is always the hope that a good management of alien species will act as a precautionary measure in future.